Ao governador Mauro

Por que não liberar o Dourado e proibir a pesca do Pacu?

Redação: Notícias da Baixada | 13/05/2020 - 12:10
Por que não liberar o Dourado e proibir a pesca do Pacu?

Governador Mauro Mendes, a finalidade deste artigo jamais foi fazer qualquer crítica às medidas tomadas e continuadas, pelo seu governo, com relação a piracema e ao pantanal de uma maneira geral, até por que a grande maioria delas vem de governos anteriores.

 

Já tive a oportunidade de pessoalmente lhe dizer o que a grande maioria do povo pantaneiro (aquele que vive dentro da planície), quis lhe dizer, mas sem oportunidade, alguns me pediram que lhe transmitisse suas opiniões.

 

Há mais de cinco anos está proibida a pesca do dourado. Esta espécie proliferou tanto, que chega a preocupar aqueles que lá vivem e dependem do peixe.

 

Por que? Não sou eu quem digo isto, as palavras que seguem, foram a mim ditas pelo homem pantaneiro, a quem eu reputo ser o único a saber ipsis litteris os segredos da bacia.

Dizem que com a proliferação dessa espécie, vem o dourado comendo uma quantia absurda de alimento das espécies lisas, (o lambari, a sardinha etc.), como o pintado, a cachara e outros, que daqui a pouco começará a faltar para eles.

 

Governador, escute a opinião de quem entende do caso. Se quer cota ZERO, por que não liberar a pesca do dourado e fechar por 2 ou 3 anos a do pacu?

 

E por que não, depois disso, abrir a pesca do pacu e fechar por 2 ou 3 anos a do pintado e demais peixes de couro?

 

Outra coisa que muitos amigos meus não admitem é o seguinte: se o pacu começa a desova com o tamanho de mais ou menos 45 cm, por que a lei me permite

 

abate-lo justamente quando ele atinge a idade de procria? Parece ilógico a lei me autorizar abater a matriz não?

 

Não seria a mesma coisa de pedir ao fazendeiro que abatesse suas vacas? De onde viriam novos bezerros?

 

Só nas salas refrigeradas, nenhum técnico, por mais capacitado que seja, saberá dos segredos da vida pantaneira.

 

Governador ponha seus técnicos em contato com o pantaneiro, aquele que vive lá dentro do pantanal, este sim, poderá dar uma lição de sabedoria a qualquer um, e as medidas tomadas para essa região, a partir daí, serão embasadas na inteligência, sabedoria e astúcia do pantaneiro.

 

Eduardo Póvoas é pós-graduado pela UFRJ

 

 

Fonte: Eduardo Póvoas