Notícias e Informações em tempo real dos municípios que compõem a região da Baixada Cuiabana
COTA ZERO

Sebastião Ferreira Leite. É Levergense, Mimosiano e Advogado Militante.

Redação: Notícias da Baixada | 19/11/2019 - 20:28
Sebastião Ferreira Leite. É Levergense, Mimosiano e Advogado Militante.

Sou Levergense e Mimosiano. Portanto, um autêntico pantaneiro, cujos avós maternos moraram na Boca de Pedra, perto da Baía de Chacororé.

Sou no tempo que o rio Mutum não era embatumado e as águas vindas do Leste corriam livremente para as baías, algumas, seguindo a trilha do gado que pastavam capim Mimoso nas margens da Chacororé e Txá Mariana. Esse tema é intrigante.

A primeira preocupação é a falta de peixe ao ribeirinho e o pescador profissional sem dinheiro para suas despesas. Meus primos moram entre o Cuiabá Mirim e as Conchas, nas barrancas do Rio Cuiabá. Eles vivem do turismo na temporada da pesca. Ao longo dos últimos 30 anos os visito com frequência. As ações sociais do governo LULA lhes permitiu energia elétrica ( Programa Luz Para Todos) e casa ( programa Moradia Rural).

Meus primos, não precisam da pesca e das ações sociais do governo, vão todos bem obrigado, até disputam pareia! Porém, tem o ribeirinho tradicional e o pescador, algumas vezes predatório em pesca com rede (é só ver se o peixe está sem cabeça).

Tem uma outra situação. Nunca vi ninguém vender rubafo. Há excesso de Jacaré e falta de rubafo.

Quais ações seriam necessárias para contemplar a COTA ZERO e atender os pescadores profissionais?

Em primeiro lugar um cadastro correto dos pescadores profissionais, identificados pela comunidade local, auditados pela Prefeitura e MP.

Em segundo lugar, pesquisar sobre o faturamento real de cada indivíduo ou Colônia de pescadores. De posse desses dados, criar uma associação profissional de pescadores ou Cooperativa de Pescadores, com estatuto, CNPJ, diretoria eleita e conselho fiscal.

No primeiro ano o governo vai distribuir um KIT PESCADOR:

a) tanques rede;

b) alevinos;

c) ração;

d) garantia de compra da produção do pescado para merenda escolar;

e) criação de um banco do povo ( modelo de Goiás) para financiar a produção.

Para complementar essas ações, o governo de MT e Prefeituras da baixada cuiabana, irão estimular, em parcerias com as universidades e iniciativa privada, um laboratório para produção de Alevinos e estímulo para criação de Jacaré em cativeiro, com devolução de um percentual à natureza, pois será necessário em um primeiro momento coleta de ovos da natureza.

E, pro fim, criação de frigorífico para abate de peixes e jacarés. Implantadas essas medidas, a CORA ZERO será bem-vinda.

Sebastião Ferreira Leite. É Levergense, Mimosiano e Advogado Militante.

Fonte: Sebastião Ferreira Leite. É Levergense, Mimosiano e Advogado Militante